Ibovespa volta a nível de setembro de 2009

03 agosto. 2011

Nos últimos dias balanços de grandes empresas reportaram lucros expressivos referentes ao 1º semestre de 2011. Primeiro foi o Bradesco a divulgar lucro recorde de R$ 5,1 bilhões, depois foi Vale (e por conseqüência a Bradespar) reportando o maior lucro da história(R$ 22,1 bilhões) e mais recentemente o Itau Unibanco com lucros bastante apreciáveis (R$ 7,1 bilhões). Apesar de resultados tão bons as ações dessas empresas sofreram fortes quedas no dia em que foram anunciados. Isso se deve ao fato de a Bovespa não vem resistindo à piora no ambiente de econômico mundial e como as demais bolsas que sofreram pesadas perdas na terça feira, o Ibovespa também desabou. Na expressão de analistas a bolsas vivem um verdadeiro “choque de realidade” que tomou conta dos mercados e a preocupação com o enfraquecimento da economia global estimulou a aversão a risco e prejudicou, mais uma vez, o mercado acionário. Com a forte queda  o Ibovespa deu continuidade ao movimento de baixa que vem ocorrendo a algumas semanas, que o levou a perder o importante suporte dos 57.600 pontos, abrindo espaço para o movimento vendedor ganhar ainda mais força, nos próximos pregões. O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) caiu 2,09%, aos 57.310 pontos, nível mais baixo desde 4 de setembro de 2009 (56.652). Acontecimento mais aguardado dos últimos tempos, o presidente dos EUA, Barack Obama, sancionou finalmente a legislação que eleva o teto da dívida nacional e evita um default soberano. A Câmara dos Representantes e o Senado aprovaram o texto, após um desgastante debate que deixou os nervos dos investidores à flor da pele.Ainda que não tenha sido o plano desejado por Obama, sua aprovação tirou um fardo do mercado. De toda forma, os receios de um rebaixamento do rating dos EUA não saíram do foco.A percepção é de que o ajuste que precisará ser feito pelo país para que as “contas fechem” será muito agressivo e colocará pressão adicional na já deteriorada situação da economia.Do ponto de vista gráfico, a tendência negativa do mercado acionário brasileiro foi reforçada, num quadro não apenas para o curto, mas também para o médio e longo prazo.Ao perder o nível dos 57.630 pontos, o Ibovespa caminha agora para suportes intermediários de 56.600 e 55.200 pontos. Se confirmar a perda dos 57.630 pontos nos próximos pregões, o Ibovespa pode cair até os 48.260 pontos.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: